Radar

Fora de Mim

 

“Doeu perder você.

É uma dor tão recorrente na vida de tantas mulheres e de tantos homens. É um assunto tão reprisado em revistas, é um sofrimento tão clássico e tão narrado em livros, filmes e canções, que mesmo que eu não me lembrasse, lembrariam por mim.

Uma dor que chora, que se berra, que se reclama. Uma dor que tentamos compreender em voz alta, uma dor que levamos para os consultórios ds analistas, uma dor que carregamos para mesas de bar, e que vem junto também para a solidão da nossa cama, para o escuro do quarto, onde permitimos que ela transborde sem domínio e sem verbo.

A dor massacrante do abandono, da falta de telefonemas, da falta de beijos, da falta de confidências. No entanto, perde-se o homem, perde-se a mulher, mas o amor está ali, mesmo sendo o deflagrador do vazio. Por estranho que pareça, há uma sensação de pertencimento, algo ainda está conosco. A saudade é uma presença. (…) Sofrimento cansa. Só não cansa aquele que sofre, mas cansa aqueles que o assitem. (…)

Dei início a um novo processo de despedida. Não mais o adeus a você que já havia partido, mas o adeus à pessoa sofrida que eu vinha sendo. Aquele eu amargurado é que estava saindo da minha vida.”

Martha Medeirosmartha

Amanhã é meu aniversário e me deu uma vontade grandona de dedicar esse post pros meus pais.

O resto todo é bobagem.

2 comentários

  1. Hoje que tenho minha filha e família, digo que só isso vale a pena… Meus familiares … o resto passa… muda… acaba…. o amor que sinto por eles não,esse amor cabe em um milhão de novas vidas!!!

    bjs linda

  2. Claudia Anderson disse:

    As vezes a gente fica tão triste,irritada,depressiva,agoniada e nem se dá conta que colocamos todos a nossa volta como reféns desse nosso estado de espírito..

Deixe um comentário :D