Coluna da Chris

Coluna da Chris: Tá na Caras

 

Caras é aquela revista que a gente quase sempre vê nos consultórios médicos e que sempre – sempre, sempre – encontra nos salões de beleza. Formato grande, pra chamar a atenção. Quem vê caras, vê tudo! Sobre celebridades.

A Caras é uma revista tão curiosa que uma amiga minha, ao renovar a sua assinatura de outra revista, acabou levando a da Caras junto. Porque a assinatura da outra revista ficava mais barata se ela comprasse também a da Caras. E ainda ganhou a coleção Petit Casseroles completa, coleção que mais tarde seria desfeita, pois cada amiga e parente ganhou uma petit casserole junto ao seu presente de Natal.

Como era de se esperar, a Caras tem um site na internet onde, além de fotos e notícias, há vídeos. Sobre celebridades. E beleza, estilo, decoração, culinária. Dia desses uma chamada na página do provedor me chamou a atenção: “Modelo plus size que já foi anoréxica aparece com corpão em evento de gala”. Modelo plus size que já foi anoréxica! Cliquei. Queria saber mais sobre a história da moça. Da anorexia ao mundo plus size e, provavelmente, pensei eu, fotos do corpão. Cliquei. A matéria era da Caras. E sim, tinha fotos. De uma moça magérrima. Ué, mas e o corpão?

Que corpão, que nada. Corpinho. A notícia dá conta que a moça – Crystal Renn – foi vítima de anorexia aos 27 anos, quando tentava desesperadamente se adequar às exigências do mundo da moda. Depois disso, e porque todos vamos morrer mesmo, ela se curou e engordou 32 quilos e passou a trabalhar como modelo plus size. Finalmente, emagreceu de novo, deixou os coleguinhas preocupados com uma possível recaída na anorexia até que finalmente reapareceu em Nova York com o dito “corpão”.

Eu ia falar sobre a minha confusão com esse negócio de corpão, porque né? Para mim, corpão é corpo grande, corpinho é corpo pequeno, não se fala mais nisso. Olhando as fotos da moça Crystal na matéria, digo que, na minha opinião, ela era linda quando tinha o tal corpão manequim 48 “plus size”: cintura fina, quadris cheios, um violão de encher os olhos mesmo. Digo mais: não era gorda. Era voluptuosa. Gostosa. Se eu tivesse que nascer de novo e me mandassem escolher um corpo no armário, escolhia esse. Mas depois de ter visto uma propaganda da Marie Claire na televisão em que dizem que a Sabrina Sato vai dar dicas de beleza para que eu, você, todo mundo possa ter um “corpão” como o dela, não digo mais nada. Já entendi, “corpão” não quer dizer que é grande, mas sim… esguio, na verdade. Ou seja, um corpinho.

Voltando à tal matéria da Caras, e como uma matéria leva à outra, descobri que aquela atriz super gorda – e linda – chamada Renata Celidônio declarou que já fez todas as gordas que tinha para fazer na TV. Pudera. Ela emagreceu 60 quilos e agora tem um… corpinho? Corpão? Enfim, um corpo que não se presta mais a fazer papel de gordas na TV e nem em lugar nenhum. Se não usar os travesseiros da Vera Holtz como Dona Redonda, só mesmo fazendo papel de magra, porque não tem jeito. E ela disse uma coisa que achei muito interessante, embora triste e reveladora do papel que cabe a pessoas como eu na nossa sociedade: “Para fazer qualquer coisa na TV, só pensam na obesa como uma pessoa engraçada, não para viver um outro personagem que não tenha esse lado cômico”. Verdade, Renata. Walcyr Carrasco e sua Perséfone que o digam. Finalmente, Renata diz que sonha em viver uma empregada na novela do Manoel Carlos. Fez bem em emagrecer, porque do jeito que vai, daqui a nada as gordas não poderão mais ter emprego nenhum, seja como atriz de novela, seja como empregada doméstica.

(nota da Vivi: esse parágrafo contém ironia, atentem). Meu passeio pelo site da Caras incluiu uma galeria de famosos que ganharam BASTANTE peso, tipo 15 ou 20 quilos, uma matéria que me convidou a me inspirar em pessoas como Fabiana Karla e Ke$ha para saber como emagrecer e evitar o efeito sanfona, com dicas de um nutricionista – e que dicas, viu? Evitar massas e doces, fazer exercícios, coisas verdadeiramente inovadoras no mundo das dietas. Mas a excursão finalmente chegou ao fim quando cheguei a uma matéria intitulada “Descubra o peso de Beyoncé, Adele, Angelina Jolie e outras celebridades!”. Foi aí que eu realmente senti medo. Nestes tempos de manifestações, esse patrulhamento do peso alheio me deu ainda mais medo. E quando notei que só a Adele pesava mais do que 60 quilos, achei melhor fechar tudo e voltar a surfar em águas mais seguras. Vai que alguém vê o meu corpão andando por ali desavisado… Nunca se sabe.

Outra Nota da Vivi: e para quem não viu, também foi no site da Caras que a querida Paula Bastos, do Grandes Mulheres, mandou seu recado sobre a abordagem surreal aos ‘problemas criados pela obesidade’, na figura da Enfermeira Perséfone, da novela Amor à Vida. AQUI.

5 comentários

  1. Caras, muitas caras e bocas, tudo junto e misturado…Acabei com meus Finger Foods.

  2. Acho que esta foi uma comparação infeliz da modelo, porque modelo plus size faz jus ao tipo. Esta no máximo é um entremeio delas. Ou na verdade as modelos reais é que são magras demais. Demais mesmo!

  3. Adriana Bastos disse:

    Pois é, Chris! Para quem assistiu de perto este cruel padrão de beleza imposto pelo mundo fashion sabe do que você esta falando. Vi modelos serem induzidas a chupar gelo para disfarçar a fome. Vi meninas serem rejeitadas por apresentarem 2 cm a mais do que exigia a fita métrica assassina de sonhos.
    E sabemos também o quanto o dia a dia é cruel para aqueles que não seguem o padrão estabelecido . Basta assistirmos jeito grotesco como a Perséfone é retratada na novela global (um veículo fortíssimo no quesito formador de opinião) para sabermos o quanto o ser humano sabe ser desumano. Sorte daquele (alto, magro, gordo, branco, negro, hetero, homo e assim por diante) quem tem autoestima suficiente para dar uma banana para o que os outros pensam e não abre mão de ser feliz.

  4. Priscilla disse:

    Acho lindo o corpo com essa descrição que vc falou “cintura fina, quadris cheios, um violão de encher os olhos mesmo. Digo mais: não era gorda. Era voluptuosa. Gostosa.” Acho que meu padrão de corpo é esse. Estilo Nigella antes da dieta que fez. Mas sou magra. Não reclamo, me aceito.
    Não curto a Caras, nem nada que seja voltado a apenas falar da vida alheia e de famosos. Fiquei chocada com isso da matéria com o peso dos famosos. E o Kiko?rs
    Acho que o peso de cada um deveria interessar somente a si. Essa cultura de comparar corpos me cansa.

  5. Falou tudo, sua divona! Sou muito mais felizzzz do que jamais fui na vida. Não é sensacional????

Deixe um comentário :D