Warning: mysqli_set_charset(): Error executing query in /var/www/html/vivialberto.com.br/web/wp-includes/wp-db.php on line 823
Vivi Alberto
Warning: array_merge(): Argument #2 is not an array in /var/www/html/vivialberto.com.br/web/wp-content/plugins/wp-pagenavi/scb/Options.php on line 62
 

beleza

Beleza Perigosa

 

Eu tinha uma novidade quentíssima em matéria de estética corporal pra começar essa semana – e o mês de novembro – com o que há de mais atual pra quem está fazendo contagem regressiva pro verão e suas delícias.

Só que o programa Fantástico, exibido ontem (03/11) mudou completamente a ordem das prioridades, trazendo à tona uma discussão que precisava ganhar o grande público há muito tempo, mas por conta de intere$$e$ mil, ficava velada, escondida debaixo de um tapete que, finalmente, cresceu tanto que virou um elefante branco na sala. Não dá mais pra ignorar.

Todo mundo aqui já está cansado de saber que se hoje falo sobre beleza e estética é porque esse já era um assunto de meu interesse desde muito antes de sequer pensar em blog. Sou curiosa a esse respeito desde meus 14/15 anos, quando as marcas de protetor solar disponíveis no Brasil eram contadas nos dedos de uma mão e as cores de batom se resumiam a vermelho e rosa. Com o primeiro emprego veio a primeira graninha pra investir em escolhas próprias e um mercado em plena expansão me moldou numa consumidora voraz de perfumaria, habilidade essa que culminou, mais tarde, numa queda de para quedas, na categoria blogueira de beleza.

Nesse meio as coisas são muito legais até a página 5, que é quando você tem acesso muito mais rápido a informações, o que amplia o leque de opções na hora de escolher serviço de beleza. O que aconteceu comigo – e que fez a história perder muito sua graça – foi que, de repente, o que eu falava precisava atribuir um caráter de sim ou não, aprovo ou não aprovo; determinando minha sentença sobre o serviço/produto em questão. Por que eu digo que isso não tem graça nenhuma? Porque se tem uma coisa que não gosto no mundo é que alguém tome uma decisão por mim. Se outra coisa que pode me irritar ainda mais é que alguém jogue nas minhas mãos a tomada de uma decisão que deveria ser puramente pessoal, terceirizando a responsabilidade da própria escolha. Isso vale pra batom ou pra abdominoplastia. Não interessa, é seu dinheiro, seu corpo, sua necessidade, seu desejo de consumo: eu não posso decidir por você.

Já, por outro lado, tem um aspecto de escrever em blog que considero primordial, muito importante mesmo: eu não tenho o menor controle sobre quem está lendo o que escrevo. Ao mesmo tempo em que transmito aqui o meu olhar sobre determinado assunto, tenho consciência sobrenatural de que existe toda uma gama de detalhes particulares, próprios de cada pessoa, que vai tornar a opinião delas, sobre o mesmíssimo objeto em questão, em um algo muito diferente do significado que tem pra mim. Como se resolve essa equação, onde tantas pessoas diferentes enxergam um objeto comum, usando as lentes variadas? A solução é uma só: os fatos. O denominador comum a qualquer observação é esse, as coisas são o que são, indiferentes ao nosso desejo de como gostaríamos que elas fossem. Vou colocar agora no contexto da estética e vocês vão me entender rapidinho.

Exemplo prático: toda a wolrd wide web sabe que fiz CO2 na face. Sabe porque eu, de livre e espontânea vontade, decidi documentar e publicar o processo praticamente completo, da aplicação à recuperação, para que outras pessoas pudessem, através dos fatos (e fotos reais) ver como funcionou em mim esse procedimento nada simples, que envolve a agressão da pele pelo Laser, uma recuperação incômoda, incertezas diante do espelho a cada dia, inchaço, alguma dor. Um relato em primeira pessoa que poderia – como o faz até hoje – servir de parâmetro de comparação no momento em que alguém estivesse pesquisando sobre o assunto, a procura de entender um pouco como funciona na vida real, porque até então, o que tínhamos eram apenas promessas em sites de estabelecimentos que ofereciam o serviço. Meu objetivo foi totalmente alcançado, eu contei minha experiência. O que aconteceu depois? Bem, várias coisas.

Em grande parte, coisas boas. Muitas pessoas me escrevem pra falar sobre o assunto, normalmente quando estão refletindo sobre fazer ou não o procedimento. Querem trocar opiniões com alguém que já passou por isso, querem um ou outro detalhe que não está nos textos. Mas tem também os aspectos chatos. Infelizmente esses foram aumentando o grau de chatice com o passar do tempo, aumentando na mesma proporção que o boom de um mercado paralelo, o da beleza la garantia soy yo, que foi justamente esse mostrado pela reportagem do Fantástico, ontem.

Pessoas começaram a questionar minha recuperação (lenta, 30 dias), já que, pra elas, disseram que em sete dias eu tava boa. Desculpe, em sete dias eu só estava liberada pra aparecer sem fazer com que as crianças corressem chorando pras montanhas; não estava recuperada. Começaram a aparecer casos (no plural) de pessoas cujas marcas de queimadura do Laser não tinham desaparecido como as minhas, e agora é normal, é assim mesmo? Gente, do fundo do meu coração, a única coisa que posso dizer é que em x dias as minhas tinham sumido, não posso avaliar as de mais ninguém. E finalmente, a discrepância de valores. Eu não escondi de ninguém, paguei meu procedimento parceladíssimo. E foi pesado! Pouco menos do que uma cirurgia plástica, já que não envolvia internação; fora os valores dos produtos que eram obrigatórios no período de cicatrização, medicamentos e cosméticos. Não foi um passeio, não foi simples. Foi custoso e demorado, como um procedimento médico costuma ser. A impressão que dava é que, quando eu respondia com a verdade, as pessoas se decepcionavam, porque não era tudo tão fácil, rápido e barato como o que tinha sido oferecido a elas.

O que finalmente me fez chegar a conclusão de que as coisas tinham degringolado pra uma direção muito perigosa e eu já não sentia mais vontade de falar tão espontaneamente sobre o assunto. Procedimentos caríssimos (com custo construído sobre equipamentos importados e principalmente especialização dos profissionais) são agora oferecidos a preços surpreendentemente módicos, em locais que nem sempre podem ser chamados de Clínicas, sem acompanhamento prévio ou posterior. Executados por pessoas que não exercem nenhum ramo da medicina ou ao menos sejam técnicos da área e, pior de tudo, pagou, levou, não volte pra reclamar. Vocês não tem ideia da quantidade de gente que sai de um procedimento desses sem a menor noção de como funciona a recuperação. Ai, Vivi, que elitista! Então pra ser bom tem que ser caro? Não mesmo! O que acontece não tem nada a ver com status, é apenas uma realidade: tecnologia tem preço e ele é alto. Fato. Pra ser bom tem que ser honesto, só isso.

Eu tinha conhecimento de que a situação estava chegando ao limite porque muitos desses clientes/pacientes desorientados acabaram aqui no Pop, graças ao Dr. Google, que era o único disponível a eles, depois de concluído o negócio da china. O que pude oferecer pra essas pessoas foi o que disse antes: os fatos. O que eu fiz, como fiz, orientada por quem. Isso resolvia o problema deles? Não, claro. Nenhuma situação é igual, somos pessoas diferentes, que passamos por um procedimento semelhante, mas em condições que não podem ser comparadas – equipamentos, profissionais, tratamento. É frustrante, mas trocar experiências, conversar sobre o assunto, é uma coisa, já solucionar as complicações está, como sempre esteve, fora do meu alcance – e, muito sinceramente, está fora do alcance de qualquer pessoa além do profissional que executou o serviço.

Ontem a situação se desenhou bem nítida, na matéria do Fantástico. As pessoas estão sendo enganadas. Elas deveriam se informar melhor antes de se submeter a procedimentos estéticos de qualquer espécie, e em absolutamente qualquer lugar? Sem dúvida. Buscar informação é nosso dever, sempre. Até pra poder reclamar depois, precisamos estar cientes do que estamos nos propondo fazer.

Falta fiscalização? Sem dúvida. Falta fiscalização em tudo nesse país, não seria diferente na estética.

Mas há uma verdade bem dolorosa aí também: as pessoas estão perdendo valores fundamentais. Ética, comprometimento, respeito pela vida humana, tudo isso é descartado quando a motivação é ganhar dinheiro. Por isso, diante de uma oferta muito atrativa, peça pro coração silenciar por uns momentos e exija uma opinião objetiva do seu cérebro: você já verificou tudo que poderia pra saber se tem caroço nesse angu?

Se ficar em dúvida, adie. E pesquise, amiga. Pesquise muito. Antes de fazer, porque depois a coisa fica feia. Literalmente.

Coluna da Chris

Coluna da Chris: A Dona Evani

 

Vocês já devem ter ouvido falar da Dona Evani, de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. Se não ouviram, conto um pedacinho da história.

A Dona Evani é aposentada, tem 63 anos e no dia 1º de outubro resolveu dar umas bandas por aí. Pegou o carro – um Palio vermelho totalmente quitado e no nome dela – e partiu rumo a aventura. Deixou um bilhete para o filhão, o Vinícius, que mesmo assim não se convenceu. Esperou uma semana e foi, então, à delegacia da cidade registrar queixa do desaparecimento da mãe.

Uma rádio da cidade publicou em seu site uma nota sobre o caso. Contava tudo isso que eu falei aí em cima, acrescentando que a Dona Evani tinha levado umas mudas de roupa e o “carro da família”. Aí é que começa a parte engraçada.

A Dona Evani, usando seu perfil no facebook e muitas letras maiúsculas, foi lá no site comentar a notícia do tal desaparecimento. Indignada, dizia que não estava desaparecida coisa nenhuma. E mais: o carro não é da família, é dela. E que as contas estavam todas pagas. Disse que tem diabetes e que quando teve que extrair cinco dentes, o filho não se prontificou a cuidar dela. E por isso ela resolveu passear. Tomou, Vinícius?

Não o suficiente, porque vinte minutinhos depois, ela publicou outro comentário, com artilharia pesada. Que o filho quando fugiu de casa com a Lorelaine roubou o cartão de crédito dela e fez um empréstimo que ela paga até hoje. Reafirmou que o carro é dela, tá pago. Que não deve nada pro filho, já deu faculdade, deu todos os eletrodomésticos e que – e aqui eu fiquei triste, viu, Dona Evani? – o menino foi adotado, prematuro, pesava só 1,600kg, contra a vontade do pai. “Esse é o pagamento por criar filho dos outros”.

Fiquei triste porque acho que filho é filho, independente da barriga de onde saiu. Quando a gente escolhe ter um filho, a gente faz por amor, né, Dona Evani. Por outro lado, eu entendo que a senhora estivesse se sentindo solitária, sufocada, e que nessas horas a gente fala mesmo o que vem na cabeça. Mas segue o jogo, que eu não sou ninguém para dar conselhos ou fazer filosofia barata com a Dona Evani.

A Dona Evani ficou famosa na internet. Foi para a televisão, ser entrevistada pela Fátima Bernardes. Apareceu em tudo quanto foi jornal e coluna, e sua história foi compartilhada por milhões de pessoas nas redes sociais. Um monte de gente pediu para ser amigo no facebook. Ela aceita todo mundo – até eu.

E é aí que a coisa fica sem graça. Porque, no meio de toneladas de mensagens de incentivo, que a Dona Evani responde uma a uma, ela se dá ao direito, vejam só, de publicar coisas no facebook dela. Coisas que podem até parecer equivocadas aos olhos de algumas pessoas, como a notícia de que a Dona Roseana Sarney pretendia se encontrar com ela em Porto Alegre.

E aí, algumas destas pessoas que a adicionaram, que não conhecem a Dona Evani, que não tem com ela qualquer intimidade, acham que devem ir lá catequizá-la. Que não deve se meter com política, que não deve confiar nos Sarney, que tem gente melhor com quem se afinar. Em outras postagens, novos conselhos e até broncas: que não deveria andar de moto, porque é perigoso. Que deveria trocar postagens por dinheiro, em vez de fazer publicidade de graça para seus amigos. Que a notícia do site de humor que ela compartilhou pensando que era verdade é um boato para desestabilizar o governo. Que…

Peraí, gente. A Dona Evani ficou famosa porque resolveu que queria viver, queria conhecer o mundo, queria ser feliz da porta pra fora… sem dar satisfações a ninguém. E daí aparece esse monte de gente, do nada, querendo ser amigo dela e se permitindo criticar, corrigir e dar pitaco nas escolhas, opiniões e “equívocos” que ela publica? Francamente!

No meio de tudo isso, muita gente é bem intencionada, sim, como os que dizem que andar de moto é perigoso. É perigoso. Mas acho que a Dona Evani tá cansada de saber disso. Ela não é uma criança indefesa. Ela é uma poderosona de 63 anos que saiu de casa sem lenço, sem documento e sem precisar da autorização de ninguém. Ela é quem tem que decidir se assume os riscos de pilotar uma moto ou não.

Mas tem também os exigentes, que ficam bravos e dizem que a Dona Evani só quer aparecer. E se despendem, rancorosos: pra mim deu, fui! Imagino que desfizeram a amizade recém-nascida no facebook com a Dona Evani. Honestamente! De onde sai tanta arrogância? Pedir para adicionar alguém que não conhecem e ainda darem bronca na pessoa. Na pessoa que tem idade para ser mãe, talvez avó, de muitos destes rebeldes senhores de toda a verdade do mundo.

Quem faz isso, aparentemente, não entendeu nada sobre a Dona Evani e sobre o quanto o gesto dela significou. Quem tenta colocar a Dona Evani dentro da caixinha, levando-a inclusive a apagar algumas das postagens “polêmicas”, não é digno de ser amigo dela. Se fosse para isso, melhor seria a Dona Evani ter ficado em casa, esperando que os filhos fizessem por ela o que ninguém deveria fazer: controlar, cercear, criticar e tentar moldar.

Respeitem a Dona Evani, meus jovens. Ela já mostrou que tem coragem de sobra. Não sejam tão exigentes com quem tem muito a lhes ensinar, se não por nada, por já ter vivido mais do que vocês. Se não conseguem ser amigos, não se transformem na palmatória. Libertem Dona Evani!!!

Pitaco da Vivi: mais um exemplo vivo do comportamento universal (e ultimamente internético) que assume que “quem não está comigo, está contra mim”. Relaxaaaa! Às vezes a gente não está com você nem com ninguém. Tá em outro lugar, completamente alheio ao que te interessa… Em outras palavras, pode ser que quem não está contigo esteja, pura e simplesmente, nem aí.

Promos

Divulgação de Sorteios e Promos

 

Atenção no final do post para o email e formato para pedidos de Divulgação. Divirtam-se!

1 perfume à sua escolha, no by Marizinha

1 sabonete liquido Alchemia, no by Marizinha

1 barbeador Philco, no by Marizinha

1 livro Cidades de papel, no Moonlight Books

Paleta 180 cores, no Me Aprontando

Kit de esmaltes, no Me Aprontando

Desapego Cabelos e Make 22 prêmios, no Eu vou de Rosa

Um exemplar do livro “Os PINGUINS do Sr.Popper”, no Saleta de leitura

Um exemplar do livro “Sedução ao Amanhecer”, no Saleta de leitura

Vale Compras de $30 Romwe, no Fadas Maquiadas

01 Kit da Linderm Cosméticos, contendo: 01 Sabonete Líquido, 01 Creme Hidratante e 01 Gel Higienizante Antisséptico, no Vitrine de Promoções

01 Colar Maçã Mordida (vermelho) e 01 Colar com pingente de Pílula (em aço inox – Somente para 01 Ganhador, no Vitrine de Promoções

Uma tiara/turbante da marca Com Amor, Dora, no The Style Notebook

Bolsa Artesanal, no iEuRecomendo.com

01 kit Jasmyne, no Feminina por Natureza

Quer divulgar sorteios e ações promocionais? Atenção para a mudança de endereço! Mande sua mensagem para:

divulgue@poptopic.com.br

O modelo:

prêmio + link para post do sorteio + nome do blog + data do sorteio

Os pedidos devem chegar até sábado de cada semana para que entrem no post que será publicado aos domingos.

compras

Heróis para Vestir

 

Sou mega fã de todos os super heróis Marvel, mas tenho um carinho especial com a Liga da Justiça e X-Men, afinal, foram companheiros fiéis da minha infância que eu trouxe pra vida adulta, sob a forma de quinquilharias colecionáveis, filmes e, sempre que disponível, camisetas.

Por isso vim toda animadinha contar pra vocês que encontrei camisetas de vários super poderosos na Renner!

Ontem postei essa no Instagram (segue lá! vivi_poptopic) e o pessoal aparentemente gostou bastante:

Além dessa comprei também uma do Capitão América (risos) e outras duas que não eram de heróis, mas das onipresentes caveiras. Hoje é fácil encontrar estampa de caveirinhas em todo lugar, mas simpatizei com essa americanófila e a outra, experimentadora de tequila – rolou uma identificação, sabem…hahaha

Queria mostrar as minhas, mas minha câmera não está falando com o computador, devem ter se desentendido, então, enquanto eles não resolvem suas diferenças, peguei algumas imagens no site da Renner pra mostrar. Infelizmente, não tem tudo que está na loja… Mas dá pra ter uma ideia. 😉

Todas são da linha Blue Steel, masculinas. As de heróis Marvel custaram R$35,90 cada e as outras R$29,90. Achei o preço bom, porque só tenho visto camisetas de R$70 pra cima por aí (a maioria por mais de R$100, pra falar a verdade verdadeira).

Não sei dizer pra vocês se tem equivalente no setor feminino, porque não deu tempo de procurar, já estava tarde. Mas se você gosta do gênero e faz questão de uma modelagem mais ajustadinha, vale a pena dar uma olhada. Eu não me importo mesmo, até gosto desse tipo mais largadinho. rs


Warning: array_merge(): Argument #2 is not an array in /var/www/html/vivialberto.com.br/web/wp-content/plugins/wp-pagenavi/scb/Options.php on line 62