Warning: mysqli_set_charset(): Error executing query in /var/www/html/vivialberto.com.br/web/wp-includes/wp-db.php on line 823
Vivi Alberto
Warning: array_merge(): Argument #2 is not an array in /var/www/html/vivialberto.com.br/web/wp-content/plugins/wp-pagenavi/scb/Options.php on line 62
 

beleza

Anticelulite Celludestock Serum Flash Vichy

 

Achei muito conveniente – pra humanidade – falar desse produto ainda essa semana, quando Paolla Oliveira parou o Brasil exibindo um bumbum nada menos do que espetacular na TV. Não que algum produto no mundo seja capaz de produzir um derrière daqueles, porque aquilo é benção, vamos aceitar, mas que fórmulas espertas ajudam, isso ajudam.

 

No fim de 2014 a Vichy lançou Celludestock Serum Flash, um produto que não substituiu, mas aumentou a família Celludestock. A diferença é que, como vemos no próprio nome, Serum Flash tem a textura bem diferente de seu antecessor. É bem fluida, aquosa mesmo, com absorção completa pela pele, sem necessidade de massagens vigorosas.

01

Na formulação ele também tem cafeína pura (em concentração de 6%; a versão creme tem 5%) ativo que aumenta a circulação local, propiciando a quebra de gordura. Tem também ácido hialurônico, que age hidratando, e principalmente, mantendo a água dentro das células. O ácido salicílico ajuda a suavizar a superfície da pele, melhorando a penetração do serum e deixando aquela sensação de sedosidade.

02

Em geral, o anticelulite Celludestock Serum Flash é um produto daqueles fáceis de manter a regularidade, dá pra usar direitinho, porque espalha rápido, não meleca e é fresquinho. Não demanda muita dedicação, se é que vocês me entendem rsrsrs Não é só preguiça de passar creme, gente. Mas já pararam pra pensar que, de 5 em 5 minutinhos que a gente precisa pra cada etapa das rotinas de beleza, a gente acaba perdendo uma horinha preciosa do dia? Quanto mais prático e rápido, melhor, né.

 

O resultado drenante dele é inegável. Sabe aquela afinada certeira, aquela enxugada nas sobras? Ele proporciona mesmo. Eu sinto muita diferença principalmente na hora de usar um short jeans mais justinho, ou mesmo na perna da calça, nas coxas. Fica mais confortável, graças a ausência de inchaço local. Como usei também no abdômen, notei ainda uma folguinha agradável na região da cintura.

Eu usei um frasco todo, que ganhei, e depois comprei outro. No mês de dezembro fiz também um tratamento (4 sessões) de Terapia de Ondas Acústicas (tem post no blog) em conjunto com a utilização do creme. Foi assim, a cereja do bolo.

Agora é manter, né? rs

Continuo usando o Serum Flash QUASE todo dia.

 

EXPERIMENTAÇÃO: VICHY
Preço: R$149 (pesquisei agora) na Época Cosméticos

 

 

EDITADO: tem desconto amigo pra leitores em todo o site da Época Cosméticos, mas tem que entrar POR ESSE LINK. O desconto aparece na finalização da compra.

beleza

Máscara Facial LED

 

Durante as férias – cabô, volei! – eu publiquei a seguinte foto no Instagram:

 

mascara_led

 

Mulherada ferveu, querendo saber se eu tinha feito um pacto com o Homem de Ferro; aderido a alguma comunidade de vida em Marte ou apenas abilolado de vez. Calma, gente. É bem simples. E muito legal também.

 

Conheci a Máscara Facial de LED através da minha dermatologista. Ela fez uma participação no programa Hoje em Dia falando dela e eu, claro, fui logo querer saber tudo a respeito, porque se tem uma coisa que eu já conhecia e amava do consultório, é o aparelho de LED utilizado no final de quase todos os procedimentos. Dez minutinhos e a pele fica clara e calma e, de acordo com a Dra., com a formação de colágeno estimulada.

 

Daí que se agora existia a possibilidade de fazer isso em casa, todo dia, ah, meenhas feelhas, eu queria pra mim!

 

Não sai falando dela enlouquecidamente porque, macaca velha de blog, sei que não adianta espalhar maravilhas sem saber se o treco funciona mesmo, porque depois vocês voltam aqui (com toda razão, né) pra me dizer que não prestou. rsrsrs E não é um produto barato; o mínimo que eu deveria fazer era usar um bom tempo pra depois falar. Foi o que eu fiz.

 

Faz uns três meses que tenho a máscara e uso com certa regularidade. Não uso diariamente porque esqueço ou fico com preguiça – #sinceridades, mas poderia usar sem problema algum, se quisesse. Ela tem um mecanismo de desligamento automático, que não permite que a gente esqueça da vida e use além do tempo indicado. Esse mesmo mecanismo impede que ela seja religada em seguida, antes da pausa recomendada.

 

O que é essa máscara de LED?
Um aparelho do tipo home device – uso doméstico – com 93 diodos que emitem luz sobre a pele. Se usada como indicado, otimiza a renovação celular, com benefícios como a melhora geral da superfície da pele, hidratação, homogeneização da textura, além de atenuar e flacidez de toda a face; agindo de forma preventiva, curativa e reparadora da pele danificada.

 

Ou seja, é amor, é colágeno, é vida pra pele!

 

Uso com a pele já limpa, normalmente à noite e, em seguida aplico os produtos antiidade do momento (porque eu vario bastante). Não é obrigatório aplicar nada em seguida, mas se uma das propriedades do LED é potencializar a ação de produtos, por que não, não é?

 

Não dói, não arde e quase não esquenta. Quando você começa a sentir um calorzinho ela desliga, já que são apenas 7 minutos.

 

O que dói é só o bolso, custa R$575,00 (em 6x no site do fabricante). É um custo x benefício relativamente dentro dos valores de mercado se formos considerar o preço atual dos produtos antiidade, certo? Grande parte dos cremes/seruns estão entre R$100-R$200, então esse preço por um aparelho de vida longa e uso diário acaba se pagando com o tempo.

 

Se traz resultados? Traz. Usado regularmente ele mostra, sim, uma pele com viço, saudável. Fora que é ótimo para atenuar essas alergiazinhas típicas de picadas de inseto no verão (sério, levo MUITAS no rosto), além de desinflamar espinhas ocasionais da TPM. Pra quem sofre de acne existe uma outra versão, com LED azul, que é indicada especificamente para tratar o problema; o custo é o mesmo.

 

Gostei muito mesmo. A foto abaixo foi feita na semana passada, estou sem maquiagem, só com filtro (os poros estão ali, não me deixam mentir hahaha):

 

sem_maquiagem

 

Com 39 primaveras marcadas na folhinha e em meio a um verão quente como nunca, tô feliz com o resultado, não posso reclamar, não 😉

 

Pra quem quiser mais informações, a minha máscara é a Linealux Máscara Facial Rosso e esse é o site do fabricante: www.capellux.com

 

Repito, eu comprei com indicação da minha dermato, tá? O ideal é levar o assunto para discutir com seu médico, antes de investir – e até mesmo para escolher o melhor produto pro seu caso, já que há opções. Aliás, a Dra. Valéria Campos tem um blog todo cheio de novidades, super indico visitas regulares ao Valéria Campos Blog.

 

 

beleza

Expulsando a Celulite com a Terapia de Ondas Acústicas: D-ACTOR

 

Você provavelmente já ouviu falar nele, se não pelo nome, mas como o “aparelho da Madonna”. D-ACTOR é a mais recente novidade que aportou em clínicas e consultórios brasileiros, depois de conquistar a diva pop – dizem que ela comprou um para usar em casa – e outras celebridades.

A ideia é velha conhecida da medicina. Ondas acústicas – oscilações de alta frequência, em inglês Acoustic Wave Therapy – já são empregadas há muito tempo na ortopedia e urologia. A litotripsia, aquela que detona os cálculos renais, nada mais é do que uma terapia de ondas acústicas. Muita gente chama erroneamente de Laser, mas não é.

Com as devidas adaptações de comprimento de onda, a Terapia de Ondas Acústicas foi transformada para o uso estético na indústria alemã, criadora do D-ACTOR.

 

aparelho

 

Não-invasivo, o tratamento se mostrou eficiente e rápido no combate à celulite (graus I, II e III), além de também proporcionar mais firmeza à pele, graças à estimulação do colágeno. Gordura localizada e retenção de líquidos também são amenizadas.

 

A sessão consiste em direcionar ondas de choque (acústicas) diretamente nas regiões afetadas. Os disparos são feitos rapidamente sobre a pele que antes recebe uma camada de gel que facilita a aplicação. A região tratada também tem o fluxo sanguíneo e drenagem linfática acionados, já que as ondas reverberam através dos tecidos, o que resulta em uma melhora global do aspecto da celulite.

note que um lado está mais avermelhado do que o outro: é para demonstrar que diferentes alcances de onda podem ser utilizados

 

Cada pequena área tratada (coxas; quadril e glúteos são os que apresentam resultados mais evidentes) é trabalhada por quatro minutos, o que torna tudo bem mais prático, não demandando muito tempo a cada sessão, que leva, em média 30 min. no total. Uma novidade é que os braços também podem se beneficiar com o tratamento, que só não é indicado para a região abdominal. Para essa área há outras opções, tão eficientes quanto e que não expõe os muitos orgãos ali alojados à ondas de choque.

 

Há quem faça duas sessões na semana, para resultados ainda mais rápidos, mas grande parte das adeptas se diz satisfeita com 1 sessão semanal, alcançando resultados ótimos em até 8 sessões. Depois é só manter a danada da celu longe! rs

 

O tratamento deve ser realizado por um profissional capacitado, ok?

 

Pesquisando vi que o valor médio por sessão é de R$400, no Brasil. Mas é muito mais confiável você procurar um local que você já conheça e confie no serviço oferecido e marcar uma avaliação. Pacotes costumam ser muito mais econômicos do que sessões individuais. Aqui em Jundiaí eu conheci o novo tratamento na Clínica Valéria Campos (onde trato a pele há a-nos), que o apresentou a novidade para a imprensa local dia 03 de novembro.

 

Para mais infos:
Clínica Valéria Campos – site
Barão de Teffé – 1000 – Vianelo/Bonfiglioli, Jundiaí – SP
Telefone:(11) 4521-7197

beleza

Cirurgia Plástica: fiz uma Blefaroplastia

 

Essa sou eu, em 2013:

blefaroplastia

E essa sou eu, Vivi versão mangá, 2014:

blefaroplastia

O que tem de diferente entre a Viviane das fotos do ano passado e essas mais atuais? Uma Blefaroplastia, ou cirurgia das pálpebras.

Vou dizer que, entre o cardápio variado das plásticas, a Blefaroplastia era a única que realmente me tentava, por mais que todo mundo estivesse por aí botando silicone e fazendo Lipo, eu só cheguei a cogitar operar as pálpebras, que me incomodavam desde que me conheço por gente. Elas não caíram, nasceram caídas, tadinhas. Isso me pesava muito na fisionomia, que era sempre de uma pessoa brava e muitos anos mais velha do que consta na certidão.

Por outro lado eu não chegava nem a considerar a possibilidade de um dia fazer, porque meu limite para estética esbarra na anestesia geral. É como se eu tivesse traçado uma fronteira: faço tudo; uso cremes, faço Laser, deixo me cutucarem com agulhas, me esfolarem com areia, mas anestesia geral só em caso de necessidade médica. Não tenho julgamento pra quem se submete à ela, apenas decidi que eu não correria os riscos por vaidade.

Até que.

 

Um dia me disseram que as coisas tinham mudado e que, atualmente, não é obrigatório fazer o procedimento em Centro Cirúrgico, ou seja, poderia ser feito em consultório, com anestesia local e sedação. Do momento em que fiquei sabendo disso, até eu efetivamente fazer a cirurgia não se passaram 45 dias. Foi como se cortassem o cordão que me prendia à minhas pálpebras tristes, ‘corra, Vivi, corra!’ e lá fui eu fazer pré-operatorios, felizona.

Não pensem que fiz #aloka e me enfiei na primeira Clínica que encontrei, tá? rs Eu tava empolgada, mas com juízo. Conhecia a (Dra) Dani Battistoni dos redutos de beleza jundiaienses (a.k.a Salão Carla Consentino); ela é cirurgiã plástica e tem clínica própria, além de fazer um trabalho maravilhoso de Cirurgia Plástica Reparadora, no atendimento de um mega hospital público daqui. Fora que ela é tão legal, tão alto astral, que desconfio que se ela fosse cirurgiã  veterinária eu ia querer que minha cirurgia fosse feita por ela, mesmo assim hahahahaha Sério, eu vi outros trabalhos dela, falei com pacientes e, conhecendo o ser humano Dani Battistoni, não tinha nem que pensar, era com ela que eu queria fazer.

A consulta foi super tranquila e informativa. Tranquila porque ela falou com naturalidade e detalhadamente sobre como seria feito; e informativa porque eu pergunto tudo e mais um pouco, quero saber até o que os pacientes normalmente não querem saber. Sou assim, me tranquiliza saber os pormenores, mesmo que técnicos. Ela me pediu uma série de exames pré-operatórios, o que é rotina. Apesar da anestesia ser local, a Blefaroplastia é considerada uma cirurgia de médio porte (a minha levou 3 horas), então é preciso fazer esse check up direitinho. Isso ajuda a evitar imprevistos durante o procedimento e também na recuperação.

Fiz a cirurgia dia 31 de dezembro de 2013. Você leu direito, eu passei o réveillon “operada”. Porque eu quis, viu. Eu não ia viajar, se deixasse escapar essa data só seria no final de janeiro e, claro, a essa altura eu já não queria esperar. Era pra melhor, eu estava é ansiosa demais pra me preocupar com a minha aparência no Ano Novo.

Tudo correu na mais perfeita paz. Operei as pálpebras superiores e inferiores (aquelas bolsinhas abaixo dos olhos), retirando gordura e excesso de pele. Não senti nada de dor durante o procedimento e na recuperação segui à risca as orientações da médica e não fazia absolutamente nada. Isso é fundamental, muita gente peca nessa hora: como você não sente dor, pensa que está 100% e sai saracoteando por aí. Não pode. Seu organismo está em um importante processo de recuperação e regeneração de tecidos. Tem que ficar quietinha, meditando, esperando a mágica acontecer.

 

Eu estava tão feliz por finalmente ter me livrado do excesso de pele que levei de boníssima os primeiros 30 dias, apesar do hematoma ser de assustar olhos destreinados e apesar do inchaço que ia e voltava, porque é uma região chatinha mesmo. Se já acordamos com a cara inchada só por dormir, imagina depois de uma cirurgia. Mas, olha, passou que eu nem vi.

Os pontos foram tirados depois de apenas 4 dias! Depois os retornos eram semanais e por fim quinzenais. Nos primeiros 60 dias é recomendado pegar leve no esforço, depois, vida normal. A cicatrização total da região é após, aproximadamente, seis meses depois do procedimento. Nesse intervalo a única coisa que alterava era a coloração. Um dia a cicatriz estava rosa, no outro quase invisível, tudo dependia muito da temperatura,  porque minha pele é bem reativa.

Nas primeiras duas semanas também é aconselhável fazer drenagem na região, com uma profissional habilitada para pós-cirúrgico. Ajuda demais, melhora muito a sensação de inchaço e você consegue ver os primeiros resultados. Além de ser super relaxante, claro.

E é isso, gente. Fiquei muito mais do que satisfeita com o resultado, nossa, nem sei expressar o quanto me fez bem. Acho que nem eu mesma sabia o quanto me afetavam as pálpebras caídas – além da alergia. Acho que cheguei a comentar por aqui em algum momento. Há mais de um ano eu passei a ter alergia daquelas bolsinhas de gordura que se depositam nas pálpebras (superior e inferior). Meus olhos reagiam com violência aos “corpos estranhos” e, vocês devem se lembrar, mais de uma vez tive que me afastar, inclusive do trabalho, por problemas nos olhos. Foi-se a gordurinha, cessaram esses problemas, um alívio.

A dica é: procure um profissional em que você deposite confiança. Veja outros trabalhos dele e seja honesta na hora de expressar quais são suas expectativas. Exija a mesma honestidade dele em relação aos resultados que podem ser alcançados, possíveis complicações e detalhamento dos cuidados antes e após o procedimento. Não custa dizer que o médico deve ter registro no Conselho Federal de Medicina e ser membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.


Warning: array_merge(): Argument #2 is not an array in /var/www/html/vivialberto.com.br/web/wp-content/plugins/wp-pagenavi/scb/Options.php on line 62